fbpx

10 atitudes que o mantêm pobre

Ninguém gosta de ser pobre, ainda que algumas pessoas tentem convencer-se do contrário. Ser pobre, neste contexto, não significa apenas viver na miséria, mas principalmente viver sem nunca juntar um tostão. 

O tipo de programação que recebemos desde a infância mantém-nos presos ao estatuo social das nossas famílias, o que para a grande maioria das pessoas não é uma coisa boa. 

Parece existir um consenso entre as pessoas de grande sucesso financeiro que a maneira mais eficiente de criar riqueza, é tornando-se num empreendedor. 

Felizmente, muitas dessas pessoas também acreditam que é possível qualquer pessoa se tornar num, não importa a sua escolaridade, raça, género, ou estrato social.  

Mas quer tenha o objetivo de trabalhar por conta própria ou não, é de extrema importância que saiba como gerir o seu dinheiro, e também não interessa se tem muito ou pouco. 

As atitudes que se seguem e que o mantêm pobre, são inspiradas no conhecimento de alguns dos empreendedores mais admiráveis do nosso tempo: 

1

Limitar-se a fazer tudo o que lhe mandam no ensino tradicional.

– Robert Kiyosaki. 

A escola ensina-nos a pensar como bons empregados, e não nos ensina nada sobre dinheiro. Antigamente, seguir o ensino tradicional à risca costumava ser uma aposta segura para um futuro desafogado financeiramente. 

Nos dias de hoje, apenas as profissões que requerem graus académicos muito avançados, como na área da medicina, são uma aposta segura. Para o resto, estude se for esse o seu desejo, mas nunca deixe de pensar pela sua própria cabeça e de aprender sobre dinheiro.

2

Perder a maior parte do seu tempo nas redes sociais.

– Elon Musk. 

Sim é verdade. Elon Musk disse numa entrevista que não perdia quase tempo nenhum com redes sociais. Uma das pessoas mais ricas do planeta afirma que não gasta o seu tempo a meter fotografias no Instagram ou a divulgar a sua vida no Facebook.  

Embora use redes sociais, pois o mesmo é conhecido por alguns dos seus tweets, gere o seu tempo à volta das suas prioridades e não das notificações do seu smartphone

3 

Resignar-se a uma vida medíocre.

– Tony Robbins. 

Existe um termo que aprendi com o Tony Robbins chamado “a zona dormente”.  

A zona dormente acontece quando a sua vida não é suficientemente má para o frustrar ao ponto de fazer alguma coisa para a mudar, e em que a perspetiva de uma vida melhor também não é suficiente para o motivar. 

Esta zona, é o sítio mais perigoso para se estar. Se está conformado a uma vida sem condições financeiras e sente que precisa de despertar de alguma forma, leia este artigo.

4

Não aprender com os erros.

– Ray Dalio. 

Aos 12 anos e completamente inexperiente, o investidor Ray Dalio teve a ideia de comprar ações de uma companhia área que por acaso estava a falir, mas que por sorte acabou por ser comprada por outra empresa antes de abrir falência, triplicando o valor das ações! 

Devido a esse afortunado evento, Ray Dalio acreditou que o jogo de comprar e vender ações era um jogo fácil. Um pouco mais tarde e após muitos erros, percebeu que os investimentos nada têm de fácil.

Com o tempo começou a ver os seus erros como puzzles que tinha de resolver. Sempre que resolvia um novo puzzle, Ray Dalio escrevia a solução em forma de princípio para usar mais tarde à medida que avançava na sua carreira. Hoje em dia, está na posição nº 79 dos homens mais ricos do mundo.

5

Não se adaptar ao mercado. 

– Gary Vaynerchuk. 

Gary Vaynerchuk usa como excelente exemplo as redes sociais, afirmando que nós não controlamos o que as pessoas fazem, nem onde querem estar.  

Se tem um produto ou um serviço que quer dar a conhecer ao mundo, tem de o mostrar onde o mundo está, e adaptar-se. 

6

Guardar o dinheiro que sobrou só depois dos gastos.

– Warren Buffett. 

Fazer o oposto desta atitude, ou seja, juntar primeiro uma parte dos ganhos e só então gastar, é um dos conselhos mais famosos do magnata dos investimentos Warren Buffett.  

É a este comportamento que os economistas se referem quando dizem para que se pague a si primeiro, e só depois aos outros. Para que resulte, tem de ser feito no próprio dia em que recebe o seu ordenado.

Poderá ser difícil no princípio, mas a sensação é incrivelmente gratificante à medida que os meses passam e vê o seu dinheiro a acumular-se.

7

Ficar prisioneiro dos seus arrependimentos.

– Richard Branson.  

Richard Branson partilhou em diversas entrevistas que fracassou muitas vezes até chegar ao patamar onde se encontra. Uma das coisas que o permitiu tornar-se tão bem-sucedido, foi o facto de não se deixar ficar prisioneiro dos seus arrependimentos. 

Se fizer um mau investimento, aprenda com ele rapidamente em vez de prolongar o seu sofrimento. Na sua próxima experiência poderá tomar melhores decisões. 

8

Acumular bens materiais.

– Steve Jobs. 

Steve Jobs foi bem conhecido pelo seu estilo de vida minimalista. Muitas pessoas ficavam totalmente surpreendidas quando iam à casa de um dos homens mais ricos do mundo, e reparavam que a mobília era quase inexistente! 

Se for como a maioria das pessoas, está habituado a um estilo de vida consumista, em que o simples ato de realizar uma compra lhe dá gratificação imediata. A acumulação de bens materiais constante é um dos motivos pelos quais as pessoas permanecem sem dinheiro a vida toda.

9

Pensar igual a todas as outras pessoas.

– Tom Bilyeu 

Conseguir ver o que os outros não veem dá-lhe poder. Para pensar diferente de outras pessoas, precisa de aprender a identificar o condicionamento social do qual é alvo.  

Algo certamente a ter em conta, é que se realizar as ações de a maioria das pessoas, vai ter os resultados que elas têm. E a maioria das pessoas não sabe gerir as suas finanças.  

10

Manter sempre a mesma atitude perante a vida.

– Robert Greene 

Este artigo estaria incompleto sem o conselho de um dos meus escritores favoritos. Robert Greene diz que a nossa atitude perante a vida determina aquilo que temos. Se as atitudes mencionadas até agora o têm mantido pobre, está nas suas mãos mudá-las.

Gostou deste artigo? Deixe-me saber a sua opinião nos comentários. 

Deixe um comentário