fbpx

Como resolver problemas em vez de fazer dramas

Se ganhasse 1 euro por cada vez que assisti a alguém fazer um drama por causa de um problema que acabou por ser resolvido de maneira ridiculamente simples, estaria neste momento a escrever este artigo a bordo de um iate ou de um jato privado.

Existem nas nossas vidas eventos que são tão insignificantes, aos quais atribuímos uma importância de tal magnitude que acabamos por parecer personagens patetas em filmes de comédia.

Os dramas desnecessários.

Não termos moedas para pagar o café e termos de o fazer com uma nota de 5 ou de 10 euros, pedindo desculpa ao empregado enquanto adotamos um ar prostrado e melancólico, como se estivéssemos numa sala de audiências a sermos julgados por homicídio.

Quando começa a chover à hora de sairmos de casa e somos sentenciados a carregar um guarda-chuva. O que acontece porque estamos com azar e não por causa de um fenómeno meteorológico. Ignorando completamente que milhares de pessoas também levam com a mesma chuva.

Não esquecendo a tragédia que é perder um metro e ter de ficar à espera do próximo durante 5 minutos…

Tirando essas situações nas quais o único controle que podemos exercer é em nós próprios, existem problemas que nos causam ansiedade e nos arruínam dias inteiros pelo simples facto de pensarmos neles, em vez de fazermos alguma coisa para os resolver.

Como resolver problemas.

Não sou de forma alguma a exceção à regra. Dou por mim em certas situações a reagir excessivamente, quando a única coisa que precisava de fazer consiste num exercício que aprendi há mais de 10 anos e que requer apenas duas coisas.

Bloco de notas e caneta
Papel e caneta

Este exercício não demora mais do que 30 minutos. Contudo, não se deixe iludir pela sua simplicidade. Pode poupar-lhe dias de ansiedade.

Dê um título ao problema

Para começar, escreva no papel o título do problema. Uma frase simples que descreva o problema de uma forma geral.

Defina o problema.

Por baixo, escreva detalhadamente o problema sem deixar de fora nenhum pormenor.

Escrever detalhadamente o problema vai ajudá-lo a conseguir clareza quando chegar à altura de escrever possíveis soluções.

Este fenómeno acontece porque ao escrever o problema no papel, é como se libertasse espaço na sua cabeça que lhe estava a causar stress, podendo usá-lo para outras coisas.

Escrever o problema vai muitas vezes fazer com que lhe ocorra a solução instantaneamente, tornando desnecessário realizar os passos seguintes. Se tal não acontecer, siga para o próximo passo.

Escreva possíveis soluções.

Releia calmamente tudo o que escreveu para o ajudar a elaborar várias soluções.

ATENÇÃO!

Não tente saltar os dois primeiros passos!  

Apenas ganhará clareza e criatividade para conceber soluções depois de escrever o seu problema detalhadamente no papel.  

Não se limite a uma única hipótese, seja criativo. Por enquanto só está a tentar descobrir soluções.

Quando tiver pelo menos três hipóteses de solução, siga para o próximo passo.

Defina o impacto de cada solução.

Escreva qual o impacto que cada uma das soluções poderá ter nas outras áreas da sua vida.

– Quais os recursos de que necessita para seguir em frente com cada uma das hipóteses que imaginou?

– Qual o impacto que terá no seu tempo?

– Quais os custos em dinheiro?

Escolha a solução.

Acabou o trabalho de escrita. Está na hora da execução. Após a reflexão chegou o momento de escolher qual ou quais as soluções que vai colocar em prática.

Descobri este exercício ainda muito cedo na minha vida, embora não de forma tão completa como a que lhe apresentei, e tenho a certeza absoluta que muitos cabelos brancos me têm sido poupados ao longo dos anos graças ao mesmo.

Usa alguma ferramenta para o ajudar a resolver problemas?

Deixe um comentário