fbpx

O génio já está em si, só tem de o desenvolver

Existe uma conceção totalmente errada acerca do talento.

Embora tenha sido provado uma e outra vez que este é desenvolvido pela prática, continua a ser uma crença comum de que quem não nasce com um determinado dom, nunca terá talento para nada, e caso tenha de facto algum, que este se manifestará sozinho sem qualquer prática, treino ou estudo.

É com grande desapontamento que observo frequentemente pessoas dotadas de um talento excecional, mas que nunca fazem nada com ele.

O famoso pintor italiano Michelangelo que esteve deitado de costas durante 5 anos a pintar a Capela Sistina, disse uma vez que se as pessoas soubessem o quanto arduamente ele trabalhou para obter a sua habilidade, que ela não lhes pareceria tão maravilhosa.

Os dotados de quem nunca ouviremos falar.

Ouvimos falar dos melhores desportistas do mundo, os melhores atores, os melhores escritores, e em qualquer área que possamos imaginar, existem uns poucos que são considerados os melhores de sempre.

No entanto, é bem possível que aqueles que deveriam ter sido considerados os melhores nessas categorias em virtude de terem nascido com algum talento óbvio, nunca o foram devido a não se terem dado ao trabalho de desenvolver a sua vocação.

Ao passo que algumas das pessoas que realizam a sua atividade num patamar de classe mundial, não tenham na realidade nascido com qualquer talento, mas tiveram em vez disso a autodisciplina para praticar e desenvolver a sua arte, progredindo gradualmente durante muitos anos.

Como ser excecional.

O autor, locutor de rádio e perito no desenvolvimento da excelência e do caráter Earl Nightingale, disse nos anos 50 que 1 hora de estudo acerca de um determinado tópico é tudo o que precisa.

1 hora de estudo por dia vai deixá-lo no topo da sua atividade em apenas 3 anos. Em 5 anos tornar-se-á numa autoridade a nível nacional, e em 7 anos será um dos melhores do mundo naquilo que faz.

Isto foi dito nos anos 50! Numa altura em que as pessoas ainda não tinham as redes sociais e os jogos de smartphone para se hipnotizarem desperdiçando os seus dias!

A desvalorização do conhecimento com a tecnologia.

Recordo-me de que nos anos 90, quando a internet ainda estava pouco desenvolvida e alguém queria aprender acerca de algum assunto, tinha de se deslocar à biblioteca ou comprar um livro.

Em ambas as hipóteses, havia um investimento de dinheiro e/ou de tempo. Esse investimento que era necessário, acabava por fazer com que houvesse mais dedicação e foco por parte de quem investia os seus recursos.

Hoje em dia, o investimento em tempo e dinheiro no conhecimento é muitas vezes quase inexistente. Qualquer pessoa que viva num país desenvolvido consegue ter acesso à internet e pesquisar qualquer tema nos motores de busca.

A inexistência de investimento, faz com que a grande maioria das pessoas não explore a fundo os tópicos do seu interesse. Tudo aquilo que é fácil de conseguir é desvalorizado.

Quem tem olho em terra de cego vence!

Existe, no entanto, uma minoria que usa a tecnologia disponível para se cultivar verdadeiramente, dando valor à informação mesmo quando esta é gratuita.

Não me refiro aquelas pessoas que fazem uma pesquisa rápida quando querem saber alguma coisa, mas sim às que estão constantemente a desenvolver os seus conhecimentos, lendo e estudando sem estarem à espera de serem ensinadas.

Essas pessoas, que também são muitas vezes autodidatas e que enriquecem os seus conhecimentos todos os dias, são normalmente as que criam empresas, batem recordes, inventam produtos novos e maneiras mais eficientes de realizar procedimentos já existentes.

Todas elas têm algo em comum.

Criam o génio dentro delas se este não existir.

Você pode fazer o mesmo. Não importa o quão ruim seja quando começa a aprender algo de novo, pode chegar longe se decidir investir no seu desenvolvimento.

Como referi anteriormente, a grande maioria das pessoas passam os dias hipnotizadas pelas redes sociais, pela televisão e por jogos para smartphones. Por esse mesmo motivo, há algo que deve saber, embora possa ter dificuldade em acreditar que é o seguinte:

A sua concorrência é quase inexistente.

Os tempos que correm são os melhores caso decida tornar-se num perito em determinado assunto.

Se quem tem olho em terra de cego é rei, a partir deste momento, tornar-se “rei” é uma escolha sua. Pois se chegou até aqui na leitura deste artigo, já deixou de ser “cego”.

Pergunta: Já desenvolveu alguma habilidade, mesmo não tendo demonstrado talento para a mesma no início?

Deixe um comentário