O único recurso de que precisa – desenvoltura

O que é afinal a desenvoltura? A desenvoltura, é nada mais do que a capacidade de obter o resultado pretendido com os recursos de que dispõe no momento.

Esta é uma habilidade que requer determinação e criatividade, mas se a conseguir desenvolver, pode compensar a falta de qualquer recurso externo que precise para realizar o que pretende.

Todavia, existe uma condição que tem um papel fundamental. Se não conseguir adotar a atitude necessária, diga adeus à sua desenvoltura, uma vez que não vai vê-la nem de passagem. A atitude a que me refiro é difícil de adotar para a maioria das pessoas.

O oposto dessa atitude parece uma cartada inteligente à primeira vista, e embora possa dar-lhe um alívio temporário, ilibando-o da responsabilidade, na realidade só o prejudica.

Está pronto para saber o que é que deve parar de fazer para usar a sua desenvoltura a seu favor? Então aqui vai:

PARE COM AS DESCULPAS!

Acabe com elas de uma vez por todas! Sim já sei, o seu caso é diferente por causa do fator X que impede que o fator Y se concretize interferindo com o fator Z que está sempre contra si e não há nada ao seu alcance que possa fazer para mudar a situação.

E sabe que mais? Tem toda a razão!

Se está sempre a repetir essa história a si mesmo e às pessoas à sua volta, ela torna-se na sua realidade.

Esses fatores que o impedem de tomar as ações que deveria tomar tornam o fracasso numa profecia auto realizável, porque você se foca constantemente neles, dando-lhes a força necessária para arruinar a sua vida.

Mas sabe o que é mais deprimente no meio disto tudo?

Ninguém quer saber!

Quando conta aos seus amigos, aos seus vizinhos e aos seus colegas o quanto a vida tem sido injusta para si e que não tem condições para fazer o que gostaria de fazer, todos eles vão olhar para si, acenar afirmativamente e vão dizer:

– Pois… Realmente tens razão, isso é mesmo muito mau pá!

Dando-lhe assim a sua dose de aprovação diária, mas fique sabendo que assim que lhe virarem as costas e voltarem para as suas vidas, vão esquecer-se da sua história e vão focar-se em si mesmas.

Por mais interesse que lhe possam mostrar inicialmente, ninguém quer saber dos seus dramas. As pessoas à sua volta não querem saber, o resto de mundo tem mais que fazer e eu também estou-me borrifando.

Tal não significa que os seus problemas não sejam sérios, significa apenas que enquanto se concentrar neles vai fazê-los perdurar na sua vida.

Usar eventos e circunstâncias externas para justificar a sua inatividade, para além de lhe tirar a responsabilidade de cima dos ombros, tira-lhe também a sua capacidade de se desembaraçar, capacidade essa também conhecida como desenvoltura.

Se optar inversamente por se ver a si mesmo como o responsável pelos acontecimentos da sua vida, vai fazer com que o poder volte para dentro de si, o poder de mudar as suas circunstâncias.

Em vez do estado da sua vida ser uma consequência do que se passa à sua volta, você passar a ser o causador das circunstâncias.

Percebeu? Vou repetir esta frase, uma vez que contem nela o princípio mais importante de todos, aquele que quando é entendido desencadeia todos os resultados que sempre desejou.

Quando assume a responsabilidade pelo que acontece na sua vida, deixa de ser uma vítima das circunstâncias e passa a ser o criador destas.

A desenvoltura pode compensar a falta de recursos externos, mas tem de se ver si mesmo como o responsável pelos seus resultados.

Para começar a perceber como é que pode usar essa desenvoltura, tem de em primeiro lugar saber qual é o objetivo que quer atingir, por isso o primeiro passo é:

1. Definir com precisão o objetivo.

Defina com o máximo de precisão que conseguir aquilo que quer verdadeiramente.

2. Faça uma lista de todos os seus recursos internos, habilidades, competências, qualidades e experiências passadas em que foi capaz de concretizar algo.

Para além do óbvio, pense também nas suas habilidades escondidas, como por exemplo ser um bom conversador, manter a calma nas situações em que o resto do mundo entra em pânico e inclua toda e qualquer habilidade que considere útil.

 3. Agir com recursos.

Com base nessa lista, quais são as ações que pode tomar, para atingir o objetivo que definiu no ponto nº 1?

Este exercício pode ser feito várias vezes. Algumas vezes vai sentir-se inspirado, outras nem por isso, mas sempre que o fizer é obrigatório que escreva as repostas, não se limite apenas a imaginá-las na sua mente.

Com a prática vai desenvolver a sua habilidade para se desembaraçar e criar as circunstâncias que deseja, e à medida que o vai fazendo, a sua desenvoltura vai evoluindo cada vez mais, até um ponto em que vai ter uma realização.

Realização essa que seria impossível ter na altura em que era uma pessoa de “desculpas” que é a seguinte:

Tudo aquilo de que necessita para realizar aquilo que deseja está dentro de si e não fora.

Pergunta: Que metas já atingiu graças à sua desenvoltura, apesar de circunstâncias desfavoráveis?

Deixe um comentário