Porque é que as redes sociais o tornam estúpido

Os avanços na tecnologia evoluíram de maneira a melhorar as nossas vidas e a torná-las mais fáceis. Estes avanços permitiram o aparecimento das redes sociais. Durante a década de 90 e inícios do século XXI, redes como a Classmates, a Six Degrees, a Friendster e o MySpace, ditaram o início de uma nova era que viria o mudar o mundo tal como o conhecíamos na altura. 

Hoje em dia, é completamente banal alguém ter um perfil no Facebook, um no Instagram e outro no LinkedIn. Contudo, num passado onde a Internet para uso doméstico era ainda uma novidade, a possibilidade de criar um perfil online com informações pessoais e torná-lo acessível a outras pessoas do outro lado do mundo era absolutamente fascinante!

Por serem novidade, ainda não se conhecia o gigantesco potencial das redes sociais. Músicos a assinarem contratos multimilionários com editoras, apenas pelo facto de terem uma grande legião de fãs nas redes sociais, empresas a tornarem produtos em objetos de culto, fotógrafos de quem ninguém tinha ouvido falar até à data a ganharem projeção internacional quase instantaneamente.

As redes socias ajudaram muitas pessoas a fazer chegar o seu trabalho e a sua arte, a muitas outras desejosas de novos conhecimentos e novas experiências. Juntou-se o útil ao agradável!

O presente…

Enquanto escrevo este artigo, para além do Macbook que estou a usar, estão ainda dois smartphones em cima da minha secretária, o pessoal e o de trabalho. Algures nesta sala está também o meu tablet.

Em todos estes dispositivos, tirando o Macbook, o Wi-Fi está desativado. Se não estivesse, a miríade de notificações das minhas contas de email, Facebook, LinkedIn, Instagram, Twitter, WhatsApp, Youtube e Google+ estariam constantemente a interromper o meu foco e a minha produtividade iria por água abaixo.

Nesta altura, está provavelmente a perguntar-se porque é que uso tantas redes sociais, e a resposta é que como empreendedor, cada uma destas redes tem um papel fundamental no meu negócio. Todas diferentes, cada uma à sua maneira acrescenta valor à minha marca e ajuda-me a fazer chegar a minha mensagem ao meu público.

Se chegou até ao blog Desbloqueie-se, existe uma grande probabilidade de o ter descoberto através de uma rede social qualquer. Se gostar dos artigos que aqui encontrar, voltará aqui mais vezes, possivelmente irá inclusive subscrever a newsletter para receber conteúdo exclusivo no seu email, se não gostar simplesmente não volta aqui mais.

Um dos grandes benefícios das redes sociais, é que o público vai descrever e opinar acerca da qualidade dos produtos ou serviços de uma empresa, o que faz com que já não seja possível colmatar a fraca qualidade de um produto com campanhas de marketing criativas e dispendiosas.

As estatísticas dizem-nos que quando as pessoas pensam em comprar alguma coisa, antes de o fazer vão pesquisar acerca da opinião de quem já comprou. Cada vez mais a empresas têm conhecimento deste facto e começam a investir mais recursos no desenvolvimento de um produto do que na publicidade que lhe fazem posteriormente.

Estes são alguns dos benefícios que nos trouxeram a exposição nas redes sociais. Como já deve estar à espera, e até pelo título sugestivo deste artigo, as implicações negativas também estão em evidência nas nossas vidas.

O estimulo constante proporcionado pelas redes sociais tornou as pessoas viciadas em gratificação instantânea. A capacidade de se concentrarem está a perder-se e os períodos de atenção dedicados a uma tarefa estão a tornar-se cada vez mais curtos.

Há menos foco e mais estímulos emocionais, e não é como se o vídeo dos 5 gatos a miar em sintonia que a sua amiga partilhou fosse acrescentar qualidade à sua vida.

No máximo vai provocar-lhe uma risada, mas passado 30 segundos a sua vida volta ao mesmo, pode sempre continuar a ver o feed de notícias das suas redes sociais, só precisa de avançar para a próxima publicação e se tiver muitos amigos virtuais, terá um feed de notícias com publicações quase infinitas.

Os estudos indicam que as pessoas gastam entre 3 a 4 horas por dia nas redes sociais (Portugal e Brasil). Já pensou em tudo aquilo que poderia concretizar ao longo da sua vida, se descontasse duas horas por dia das redes sociais e as utilizasse para construir algo a longo prazo?

Poderia usar esse tempo com atividades como:

– Ler livros acerca de empreendedorismo.

– Aprender alguma forma de artesanato vendo vídeos no Youtube (um uso produtivo das redes sociais).

– Escrever um livro (todas em as pessoas têm um livro dentro de si).

– Praticar desporto.

– Aprender uma nova língua.

Faça uso da sua imaginação e pense sempre em tudo aquilo que mudaria na sua vida a médio e a longo prazo, se usasse 2 horas ou até 1 hora por dia, numa das tarefas mencionadas ou noutras igualmente produtivas.

Para o auxiliar nesta tarefa, existem programas que o podem ajudar a focar-se bloqueando as redes sociais e até mesmo a internet, estes programas estão disponíveis tanto para computadores como para smartphones e tablets, e fazem com que o seu acesso às redes sociais fique impedido durante o tempo que programar antecipadamente.

Não vou mencionar nenhum aqui, pois existem centenas e só precisa de fazer uma pesquisa na internet para saber qual o melhor para si.

A verdade é que não são as redes sociais que nos tornam estúpidos, mas sim o uso que fazemos delas. Está na altura de invertermos a tendência e usá-las de forma a realmente melhorar as nossas vidas e não apenas a nos distrair daquilo que é verdadeiramente importante.

Talvez nunca lhe tenha ocorrido, mas a verdade é que as redes sociais são aplicações em branco, quem as preenche somos nós, os utilizadores.

Pergunta: O que é que as redes sociais acrescentam de positivo à sua vida?

Deixe um comentário